Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Janeiro, 2013

Ouçam, por favor. Vale a pena. Mas ouçam sem pressas. E ouçam cinco vezes. Cinco.

Sem pressas.

 

Gosto particularmente desta passagem:

Jornalista – “Pode dar um passo em frente?”

AJ Seguro – “Não, não dou!”

Jornalista – “Pode chegar-se um pouco mais para a sua esquerda?”

AJ Seguro – “Não, não chego!”

 

E afinal ele confessa-se. E afinal a notícia está logo no primeiro som da peça do Paulo Tavares da TSF.

O mais relevante que Seguro disse não é que “não tem pressa”. O mais relevante é que “não dá um passo em frente” e nem se “chega mais para a esquerda”. É esse o problema de Seguro. Por isso é que os outros têm pressa.

 

seguro

Read Full Post »

A estratégia do medo, do choque e de “dividir para reinar” como modo de produzir desorientação, quebrar a resistência e induzir o consentimento social face sucessivas doses cavalares de austeridade e empobrecimento colectivo.

Novos contra idosos. Empregados contra reformados. Trabalhadores do sector privado contra funcionários públicos. Pessoas com trabalho contra desempregados e excluídos. Classes médias (os “privilegiados”)  contra os muito pobres. Interesses ditos “corporativos” (as gentes que vivem do seu trabalho) contra um proclamado interesse “geral”, que é o dos poderosos que o definem.

Eis a divisão que lhes faz jeito.Tudo patente na operação do relatório atribuído a obscuros burocratas do FMI e da responsabilidade verdadeira deste Governo representante dos credores e da finança. Aqui analisada num excelente trabalho da jornalista Elisabete Miranda, publicado no Jornal de Negócios.

Opor a esta narrativa do empobrecimento colectivo (mas não para todos) outra narrativa que afirma a viabilidade e necessidade de uma sociedade mais democrática e menos desigual como condição de desenvolvimento. Opor a esta divisão outra divisão. Entre a grande maioria confiscada e humilhada e a troika,  os seus capatazes e os conhecidos beneficiários da narrativa da inevitabilidade – os credores, o sistema financeiro, os grandes interesses económicos, protegidos e intocáveis nas suas rendas e PPP.

Eis o programa por cumprir pelo lado das esquerdas. Fazer a separação de águas pelo lado certo e dar-lhe sentido e futuro.

 

Read Full Post »