Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Janeiro, 2014

Acaba de ser entregue na Assembleia da República a petição Pobreza não paga a dívida, renegociação já! da Iniciativa para uma Auditoria Cidadã à Dívida (IAC), organização a que me honro de também pertencer e petição que igualmente subscrevi.

Como dizem alguns dos promotores da petição em carta hoje divulgada no Público “A renegociação da dívida pública é inadiável. Como se reclama na petição Pobreza Não Paga a Dívida, Renegociação Já, de que somos signatários com mais de seis mil outros cidadãos e cidadãs, é urgente desencadear um processo de renegociação da dívida pública que defenda o interesse nacional e trave o processo de regressão económica e social actualmente em curso.” (ver aqui o texto completo).

De facto, para libertar Portugal do caminho sufocante, empobrecedor e humilhante desta austeridade tutelada, o que precisamos é de renegociar a dívida com os credores, utilizando os mecanismos da sua reestruturação – redução do valor da dívida, impagável na sua dimensão actual; redução das taxas de juro; revisão dos prazos. O que não precisamos seguramente é de novos resgates e memorandos, travestidos ou não de programas cautelares, que continuem o processo invasivo da nossa soberania de decisão política e o empobrecimento do país para benefício dos credores, dos mercados financeiros e dos mesmos de sempre.

Renegociar a dívida é de facto o único programa cautelar que um governo defensor dos interesses de Portugal na Europa e não dos interesses dos credores deveria conceber. Falta o governo capaz de o assumir.Falta juntar forças para o conseguir. Mas juntar forças na exigência da renegociação da dívida e na recusa de novos resgates é também um modo de abrir caminho.

Read Full Post »

Pete Seeger, que acaba de falecer aos 94 anos, é um Homem com H grande cuja história vale a pena contar aos nossos netos. Um dos maiores cantores e compositores da música popular americana e universal. Activista corajoso pelos direitos sociais, cívicos e políticos. Esteve na luta contra o nazi-fascismo, na oposição à caça às bruxas anti-comunista do macartismo dos anos 50, na oposição à guerra do Vietname e nas lutas pela paz, no movimento pelos direitos cívicos e contra o racismo nos anos 60, nas manifestações do Occupy Wall Street contra a ditadura do sistema financeiro. E sempre, sempre, coerente, corajoso e modesto, cidadão na multidão, do lado dos de baixo, dos humilhados e ofendidos. E sempre cantando as suas notáveis canções. E sempre devolvendo-nos esperança num mundo melhor. E nunca desistindo.

Cantemos as suas canções. que nos inspiram na caminhada da vida e nos dão vontade de ser mais generosos e solidários. Contemos a sua história. Para que os heróis e referências do futuro não sejam os pigmeus que nos infernizam a vida. Ou personagens menores das chamadas histórias de sucesso mercantil. Que nem notas de rodapé deveriam merecer no registo da marcha dos humanos.

Read Full Post »

Na Visão de hoje, numa entrevista respeitosamente feita à medida, Portas proclama: “O tempo dos demagogos acabou”. O que mostra que a vergonha não é atributo do personagem. Sempre irrevogável nas suas proclamações e nos seus soundbytes. Sempre confiante na memória curta dos portugueses. Inegavelmente o maior artista do conto do vigário na política portuguesa.

Irresistivelmente vem-nos à memória Lena d´Água a cantar Demagogia:

Demagogia, feita à maneira, é como queijo numa ratoeira…

Read Full Post »